terça-feira, 17 de maio de 2022

Domingos Tourinho, “50 anos vivendo outras vidas”

Publicado em 5 de fevereiro de 2022, às 11:49
Linda Barros, professora, atriz e Membro da Academia Poética Brasileira
Imagem fornecida pela autora.

O que é o tempo? O tempo é o ontem, é o hoje e possivelmente será o amanhã. No dicionário on-line o tempo é “duração relativa das coisas que cria no ser humano a ideia de presente, passado e futuro; período contínuo no qual os eventos se sucedem”. E nesses intervalos do tempo, somos agraciados com as mais diversas atividades e em todos os aspectos que nos são possibilitados.

E no percurso do tempo, cada ser vivo recebeu um dom ou uma vocação, cada um com suas habilidades específicas. E então, o tempo trata de mostrar que todos temos valores e talentos, mas que cabe a cada um de nós a responsabilidade de mostrar o que somos e  que merecemos ter uma vida longa e próspera.

Parafraseando o grande filósofo, matemático e escritor Blaise Pascal em sua máxima “o coração tem razões que a própria razão desconhece”, a vida tem seus mistérios que a própria vida desconhece. Assim é quando questionamos sobre cada passo que damos na vida e que o tempo cuida com muito esmero e também sem nenhuma explicação ou razão de ser. Em outras palavras, quando fazemos nossas escolhas, as fazemos com o coração e com a verdadeira convicção de que é realmente aquilo que queremos, ou seja, tudo isso é um dom que cada um traz consigo.

Em meio a cinco décadas, o tempo tratou de nos presentear com um talento nato e único e, exclusivamente por si só, fez seu nome e carreira e que hoje serve de exemplo para uma grande geração de atores. Estamos falando de Domingos Elias Tourinho, mais conhecido no meio artístico como Domingos Tourinho, nome de que o teatro maranhense muito pode se orgulhar e chamar de seu. Ator, diretor, produtor cultural e professor de Artes Cênicas, Tourinho nasceu em São Luís e desde muito cedo recebeu influência de sua mãe, que sempre “fazia comédias na Fábrica do Rio Anil e eu gostava de representá-la”, assim disse ele ao contar um pouco de sua história.

Na convivência com o mundo encantado do teatro, Domingos Tourinho montou seu primeiro espetáculo, na década de setenta do século XX, chamado O Caso dos Pirilampos, com texto de Maria Clara Machado, pelo CEMA (Centro de Ensino do Maranhão). Nessa época, havia os festivais de teatro do CEMA, que serviam para revelar talentos e mostrar ao público novos atores e diretores. O Espetáculo foi premiado nas finais, que aconteceram no Teatro Arthur Azevedo. Anos depois, o talentoso ator e diretor entrou para o LABORARTE – Laboratório de Expressões Artísticas, ficando na instituição por  pouco mais de um ano.

Hoje parece difícil de acreditar, mas, na juventude, Tourinho era muito tímido e acanhado. Motivo pelo qual ele resolveu fazer cursos de teatro. Não demorando muito,  chamaram-no para um grupo artístico no bairro Anil, chamado GETEL (Grupo de Teatro Livre). A partir de então, as oportunidades começaram a surgir, chegando a dirigir um espetáculo para a Semana Santa, chamado Os Dez Mandamentos.

Sobre a arte de representar, Tourinho diz que o teatro facilita muito no que diz respeito a adquirir conhecimento técnico e teórico, afirmando ainda “que não há nenhum progresso se não for através do estudo, de cursos que possibilitem o aperfeiçoamento”

Tourinho é um dos fundadores da COTEATRO – Companhia Oficina de Teatro – que é uma sociedade cooperativa de atores maranhenses criada em agosto de 1989. Essa companhia  prioriza a pesquisa de linguagens cênicas e valoriza o universo regional.

Dono de muitos recursos técnicos, Tourinho é o tipo de ator que encanta a plateia desde as primeiras cenas, seja por suas performáticas expressões corporais, seja por sua técnica vocal que costuma dar mais vida e vigor aos textos interpretados. Dentre suas principais trabalhos estão: O Auto da Compadecida; Os Mistério do Sexo; Restrés Pai D’Égua; O Castigo do Santo; Édipo Rei; Paixão Segundo Nós, peças muito elogiadas tanto pelo público quanto pela crítica.

Com sua versatilidade, abrilhanta o carnaval maranhense a cada ano, com ideias e produções na Favela do Samba, outra paixão em sua vida. Também apareceu como apresentador na TV Artesanal com o programa Um Dedinho de Prosa e Poesia, promovido pela Academia Poética Brasileira, da qual tornou-se membro em maio de 2018.

E caminhando na vida e no tempo, Domingos Elias Tourinho é atualmente um dos maiores representantes da dramaturgia maranhense, com a profissão, vocação e habilidades que, ao longo de cinco décadas, fazem-no brilhar nos palcos da bela cidade de São Luís.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: