terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Nem sempre é o que parece!

Publicado em 11 de janeiro de 2022, às 19:34
Mariana de Sousa Silva – Professora, jornalista e mestra em Letras.
Imagem cedida pela autora.

A nossa Língua Portuguesa é realmente uma caixinha de surpresas! Basta um pequeno descuido para que você fale ou escreva algo que não tem nada a ver com seu pensamento. E é daí que surgem as saias justas no ambiente de trabalho, na roda de amigos, na escola e em outros ambientes que possuem ouvidos ou olhos mais atentos.

Uma simples troca de letras em uma mesma palavra transforma completamente seu significado e um trabalhador rural (peão) pode virar um brinquedo (pião) na boca ou no caderno de alguém desatento.

Essas palavras com grafias iguais ou parecidas, mas com significados diferentes tem nome: são chamadas de parônimos e homônimos.

Quando a palavra é semelhante na grafia e no som, mas possui significados distintos, elas são classificadas como parônimos. Emergir x imergir, inflação x infração, soar x suar e emigrar x imigrar são exemplos de pares de palavras que usamos muito no dia a dia e muitas vezes de forma errada.

Já os homônimos são aquelas palavras que apresentam som igual ou semelhante, mas com significados totalmente diferentes. Esse grupo se divide em homófonos, homógrafos e homônimos perfeitos.

Os homófonos são iguais na pronuncia, mas diferentes na escrita e no significado. Palavras como cesta x sexta, cela x sela e acento e assento são exemplos clássicos que vemos todos os dias sendo confundidos nas redes sociais afora.

Quando elas são iguais na grafia, mas diferentes na pronúncia e significado são chamadas de homógrafos. Nesse caso é mais do que comum ficar em dúvida se aquela palavra é um verbo ou um substantivo quando analisada isoladamente. Almoço (comida) x almoço (ação de almoçar) e colher (utensílio doméstico) x colher (realizar colheita de um fruto) são exemplos clássicos dessa classificação.

Por último, os homônimos perfeitos se diferem apenas no significado sendo escritos e falados do mesmo jeitinho. Assim, manga pode significar tanto a parte de uma blusa como também uma fruta. É mole?

Mas a pergunta que não quer calar é: e eu sou obrigado a aprender todas essas nomenclaturas?

Olha, você não é obrigado a nada. Porém, nem tudo é o que parece e conhecimento nunca é demais. O que eu te garanto é que saber essas diferenças vai te livrar de tanta saia justa que você nem imagina! Confia em mim!  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: