terça-feira, 4 de junho de 2024

1º DE JUNHO, DIA DA IMPRENSA

Publicado em 1 de junho de 2024, às 15:56
Fonte: EDMILSON SANCHES é membro da Academia Maranhense de Ciências, do Conselho Regional de Administração, do Conselho Regional de Contabilidade, do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, da Academia Internacional de Literatura Brasileira (Estados Unidos), do Instituto Histórico e Geográfico e Academia de Letras de Caxias, e de Academias de Letras dos Estados do Maranhão, Pará, Espírito Santo e São Paulo.
Imagem enviada pelo autor

—> Lamentavelmente, hoje muitos jornalistas seguem uma inadequada ordem alfabética: o “D” de dinheiro antes do “V” da verdade, o “C” da conveniência antes do “F” dos fatos.

**

ILUSTRAÇÕES: Os jornalistas brasileiros Hipólito José da Costa e Millôr Fernandes e o norte-americano Joseph Pulitzer, que dá nome ao mais importante prêmio da Imprensa em todo o mundo, o Prêmio Pulitzer, concedido todo mês de junho desde 1917, pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

*

“O primeiro dever do homem em sociedade é ser útil aos membros dela; e cada um deve, segundo as suas forças físicas, ou morais, administrar, em benefício da mesma, os conhecimentos, ou talentos, que a natureza, a arte, ou a educação lhe prestou. O indivíduo, que abrange o bem geral de uma sociedade, vem a ser o membro mais distinto dela: as luzes, que ele espalha, tiram das trevas, ou da ilusão, aqueles, que a ignorância precipitou no labirinto da apatia, da inépcia, e do engano. Ninguém mais útil, pois, do que aquele que se destina a mostrar, com evidência, os acontecimentos do presente, e desenvolver as sombras do futuro.” (Editorial de Hipólito José da Costa na edição nº 1 do “Correio Braziliense” – 1º de junho de 1808)


Em 1º de junho é lembrado o “Dia da Imprensa”, a maior data dos que trabalham na comunicação jornalística no Brasil. Esta data ocorria anteriormente em 10 de setembro, mas uma Lei (nº 9.831, de 13/09/1999), decretada pelo Congresso e sancionada pelo Presidente da República, estabeleceu que, a partir dali, o 1º de junho era o Dia da Imprensa.

“DIÁRIO OFICIAL” – E por que houve a mudança de 10 de setembro para 1º de junho? Porque foi um pedido formalizado por entidades da imprensa. E em que se justificava esse pedido? Porque a data anterior, 10 de setembro, lembrava o dia de circulação do primeiro jornal impresso no Brasil, o “Gazeta do Rio de Janeiro”, um jornal dirigido pelo frei Tibúrcio José da Rocha, que se submeteu à censura do governo de Dom João 6º e só falava as coisas oficiais ou aquelas de que o governante não reclamasse. Isso foi há 216 anos, em 1808.

REINOL E REINANTE – Acontece que, naquele mesmo ano (1808), em 1º de junho — portanto, cem dias antes da existência do “Gazeta” –, começara a circular o “Correio Braziliense”, de Hipólito José da Costa, que estava exilado em Londres, mesmo lugar onde era impresso o jornal, por não se submeter à censura reinol e reinante.

“TENTAÇÕES” – O “Correio” vinha do continente europeu para o americano em porões de navios e, aqui no Brasil, era distribuído clandestinamente aos assinantes. A luta solitária de Hipólito José da Costa durou 15 anos, e valeu a pena. É hoje referência de imprensa que não se dobra — nem ao poder do dinheiro nem ao dinheiro do Poder. Não que não houvesse tentações. O Poder Público fez de tudo para atrapalhar a vida do jornal ou seduzir o jornalista. Pressionaram diplomatas ingleses para que o jornal deixasse de ser impresso em Londres. Ofereceram-se para pagar 500 (quinhentas) assinaturas do jornal, a fim de que o jornalista “maneirasse” suas críticas ou, melhor, não exercesse seu direito/dever de criticar.

ALFABETO – Hipólito resistiu. Por causa dele, pode-se dizer que a história da imprensa e do jornalismo no Brasil começou bem. Não se pode afirmar com segurança se, no ambiente de hoje, com o tal “capitalismo selvagem” e o interesse político-eleitoral, o jornalista Hipólito José da Costa continuaria resistindo. Talvez sim. Talvez não. Neste caso, temos exemplos, maus exemplos, de veículos de imprensa que, seguindo apenas a ordem alfabética (já que trabalhamos também com letras), colocam o “D” de dinheiro antes do “V” da verdade, colocam o “C” da conveniência antes do “F” dos fatos.

QUERER E PODER – Enquanto Imprensa, temos um caminho bem largo e comprido a andar. Teríamos muito a explicar, a justificar. Pesquisadores e estudiosos no futuro vão ver o que fizemos com o quase-poder que tínhamos. Pesarão nossas opções e pensarão no porquê delas, seus motivos, limitações, imposições. Quem sabe até nos absolverão de umas e outras culpas, concedendo-nos o benefício da dúvida, ao perguntarem-se se o que fizemos era o que queríamos fazer ou era o que podíamos fazer. Fazer como Cipriano Barata, que, mesmo preso, não parou de escrever em seu jornal e pregar a liberdade e verdade.

QUAL O MODELO? – O certo é que, diariamente, continuam sendo postas tentações à mesa dos jornalistas. Estes têm que decidir se seguem o modelo de Tibúrcio (conveniência, oficialismo, dinheiro) ou o exemplo de Hipólito (idealismo, verdade, dificuldades).

Esses estudiosos do futuro talvez quisessem de nós atos de heroísmo. Mas não somos “Hipólitos” nem “Ciprianos”.

E, meio sem jeito, diremos:

“ — Tínhamos barrigas — e não apenas consciência — para alimentar…”

Parabéns, colegas da Imprensa.

EDMILSON SANCHES
PALESTRAS / CURSOS / CONSULTORIA
Administração – Biografias – Comunicação – Desenvolvimento – História – Literatura
CONTATO: [email protected]
www.edmilson-sanches.webnode.page

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Nós, do site Região Tocantina, queremos desejar, a todos os nossos leitoras e nossas leitoras, um FELIZ NATAL, repleto de fé, alegria, paz, saúde e felicidade.

E que as comemorações possam realçar nossos melhores e duradouros sentimentos.

FELIZ NATAL!

Publicidade