terça-feira, 26 de outubro de 2021

Os 12 alimentos que o bebê não deve ingerir antes de 1 ano

Publicado em 26 de agosto de 2021, às 18:50
Anyvlis Alencar – Nutricionista, especialista em nutrição infantil
Imagem: Unsplash

1 – Leite de vaca e derivados:

Leite de vaca, derivados (manteiga, requeijão, iogurte, coalhada, queijo) e qualquer alimento que tenha leite de vaca em seus ingredientes não é indicado antes dos 12 meses.

A única “exceção” é no caso de bebês que por algum motivo precisam tomar fórmulas alimentares, pois estas contêm traços de leite em sua composição, mas mesmo assim, esses bebês devem esperar completar 1 ano para consumir leite e derivados de fato.

2 – Sal:

Bebês não sabem o que é comida com sal, o que é comida com açúcar. Desta forma, tem necessidade nenhuma de acrescentar sal “nas papas” principais.

Comida de bebê tem que ser saborosa, mas sem o sal adicionado. Basta ser criativa e usar nossos temperos naturais (cebola, alho, salsinha, cebolinha, orégano, manjericão, coentro, sálvia, estragão entre outros).

3 – Açúcar e tudo que tem açúcar:

Bebê não sabe o que é açúcar até você oferecer. Segundo recomendação da SBP, açúcar deve ser introduzido aos 2 anos de idade e sempre com moderação. Ou seja, até 1 ano NÃO deve ter açúcar na dieta do bebê. Nem na Páscoa com ovos de chocolate, nem em aniversários de amiguinhos, nem porque vão falar: – tadinho, ele vai ficar com lombriga.

Não! Eles não vão ficar com lombriga porque eles não sabem o que é açúcar. Sim, eles olham tudo o que nós fazemos, mas por curiosidade e não por desejo de comer.

Açúcar engloba tudo e qualquer coisa que tenha açúcar: bolacha de maizena, bolacha maria, petit suisse, açúcar na fruta, açúcar na fórmula, engrossantes. achocolatados, bolos, doces em geral, papinhas industrializadas que contém açúcar, smothies de frutas adoçados, gelatina (qualquer gelatina, mesmo a orgânica) e tudo que tem açúcar (vale a pena repetir).

4 – Mel:

É uma delícia, mas, não pode ser consumido até 2 anos.

 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomenda que crianças com menos de um ano de idade não consumam mel. O objetivo da orientação é prevenir a ingestão de esporos da bactéria Clostridium botulinum, bacilo responsável pela transmissão do botulismo intestinal. Não existem restrições ao consumo de mel por crianças com mais de um ano de idade e adultos sem problemas de saúde relacionados à flora intestinal.

O botulismo é uma doença neuroparalítica grave, não contagiosa, resultante da ação de uma potente toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum. Quando provocada pela ingestão de alimentos contaminados, é considerada doença transmitida por alimento. Nas amostras de alimentos é comum encontrar formas esporuladas do Clostridium botulinum, em especial no mel.

O botulismo intestinal é um modo de transmissão do botulismo e ocorre com maior frequência em crianças com idade entre 3 e 26 semanas. Está associado à ingestão de esporos da bactéria presentes em alimento contaminado. Fonte: Anvisa

De acordo com a Portaria 5/2006, da Secretária de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, o botulismo é doença de notificação compulsória. As suspeitas de casos exigem notificação à vigilância epidemiológica local e investigação imediata.

5 – Sucos e chás:

Nove entre dez pediatras falam para começar a introdução alimentar com o suco de laranja lima. Mas essa informação já é errada e tem explicação bem plausível para a exclusão do “inocente” suco de fruta da introdução alimentar.

Quando iniciamos a introdução alimentar, iniciamos algo maior do que fazer os bebês comer, começamos o processo de criar hábitos e eles devem ser os mais corretos possíveis. Várias crianças atualmente não comem frutas, não conhecem os diversos tipos de frutas que temos em nosso País e só tomam suco de um ou outro sabor.

Além do fator criar o hábito de comer a fruta, temos os motivos mais científicos: Quando fazemos o suco da fruta, perdemos fibras e alteramos o índice glicêmico e a carga glicêmica, desta forma, seu consumo diário e antes da hora aumenta o risco de induzir maior resistência do organismo à insulina que é a base do quadro de diabetes tipo 2. 

6 – Bolacha de maizena:

Vejo muitas mães desesperadas para dar bolacha e a de maizena para os seus bebês, afinal, a gengiva coça, não tem recheio e sua mãe te dava quando você era bebê, não é?

Olha só os ingredientes da bolacha de maizena de uma marca famosa: “Farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico, açúcar, gordura vegetal hidrogenada, açúcar invertido, amido, soro de leite, sal, fermentos químicos bicarbonato de amônio, bicarbonato de sódio e pirofosfato ácido de sódio, emulsificante lecitina de soja, aromatizante e melhorador de farinha metabissulfito de sódio. Contém glúten.” (Informações retiradas do site do fabricante)

7 – Engrossantes com açúcar:

Pós cheios de açúcar e outros ingredientes que antes de 1 ano não deve aparecer na alimentação dos bebês.

Não se deixem levar pelas vitaminas e minerais nos ingredientes pensem que os bebês precisam aprender a gostar de beber sua fórmula sem serem adocicadas.

8 – Petit Suisse (DANONINHO|):

Eles até podem ser uma delícia,  não é? Pois é mas são bombas de açúcar, corantes, sódio e ingredientes que bebês não precisam conhecer antes do 1 ano, ou melhor, antes da idade indicada pelos próprios fabricantes para consumo.

Olha só os ingredientes de um petit suisse de uma marca aleatória:

(Informação retirada no site do fabricante).

9 – Geléia de mocotó:

Contém algumas vitaminas, tem carboidratos, MAS MUITO AÇÚCAR, corantes e afins, ou seja, não é indicado.

Pode acreditar, seu bebê vai ser forte e saudável comendo apenas frutas, verduras, legumes, carnes até 1 ano.

10 – Frutos do mar:

Camarão, ostra, lagosta, siri, lula e outras iguarias do fundo do mar são vetadas na alimentação dos bebês. Devemos esperar até os 2 anos para oferecer para os nossos bebês por causa do grande risco de intoxicação e alergia alimentar.

Mas atenção, peixe é liberado já no sexto mês.

11 – Água de Coco:

Um erro recorrente que vejo por aí são mães dando água de coco para hidratar porque o bebê não aceita água.

Mamães, a aceitação no começo de tudo é normalmente complicada, por isso a paciência e persistência andam juntas. Nada adianta você no desespero dar uma solução equivocada para a sede de seu filho.

Água de coco é um isotônico natural, rico em sódio e potássio que em alta ingestão, sobrecarregam os rins.

Hidratar, matar a sede é função da água, nossa deliciosa e refrescante água potável, filtrada no filtro!

12 – Gemada:

Antigamente era receita para bebê crescer forte e saudável, mas, sabe-se que é arriscado fazer este tipo de preparação para os nossos bebês.

Ovo cru é terminantemente proibido por causa do grande índice de infecção por conta da Salmonella. A bactéria causa dores de barriga, diarreia e pode levar à morte. Ovo pode e deve ser dado, mas muito bem cozido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: