sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

O (RE)NASCER DE UM LIVRO E DE UMA ESCRITORA

Publicado em 25 de julho de 2023, às 4:55
Fonte: José Neres – Professor. Membro da AML, ALL, APB, Sobrames-MA
Imagem cedida pelo autor, que se responsabiliza pelos seus direitos autorais.

De modo bastante frio e técnico, um livro pode ser conceituado como um objeto composto por determinado número de páginas que, após impressas, são encadernadas e comercializadas ou ofertadas a alguém, sendo que em nosso momento atual, nem mesmo há mais a necessidade de imprimir e encadernar um trabalho para ele ser considerado um livro, pois estamos na era dos chamados E-books.

No entanto, mais que um objeto, físico ou virtual, um livro pode ser visto como um repositório de histórias, de momentos e de sonhos. E não estamos falando aqui das inúmeras narrativas criadas pelas pessoas com habilidade para a ficção, ou dos versos elaborados pelos poetas, nem dos diálogos minuciosamente trabalhados pelos teatrólogos, ou mesmo das páginas técnicas e/ou teóricas, quase sempre dirigidas a um público específico…

Não, não é isso. Falamos aqui daquelas histórias que se escondem por detrás das páginas dos livros e raramente chegam aos olhos e aos ouvidos dos leitores. Todo livro é resultado de um sonho, de um longo diálogo com tantas vozes que ecoam na mente dos escritores, mas que nem sempre conseguem se materializar em palavras escritas.

Por exemplo, em 1983, portanto há quarenta anos, uma jovem com pouco mais de duas décadas de vida, nascida em São Luís do Maranhão, que acabara de iniciar seus estudos em Filosofia na Universidade Federal do Maranhão, curso este que, após alguns momentos de trancamento, foi retomado em 1998, resolveu realizar o sonho de trazer à luz um livro… um livro com poemas.

Há exatamente quatro décadas, a hoje mestra, doutora, pós-doutora e professora da UFMA, Rita de Cássia Oliveira publicava seu livro (Re)Nascer Mulher, que, como o próprio título já indica, é centrado em um olhar voltado para o universo feminino. Porém, há outras temáticas que também chamam a atenção no pequeno livro de 44 páginas, contendo um total de 32 poemas.

Consciente e visivelmente revoltada com os modos pelos quais as mulheres foram tratadas ao longo da História da Humanidade, o eu lírico, no poema “Renascer”, que abre o livro, diz, com todas as palavras que:

Não quero ser só bandeira:

antes, serei atos na práxis de um vir-a-ser

parido em convulsões de uma nova era.

E ressurgirei inteiramente mulher! (pág. 9)

Além das denúncias com relação aos descasos com que as mulheres foram tratadas ao longo dos tempos, a autora também encontrou espaço em seu livro para tecer críticas sociais bastante diretas com relação ao regime político da época que, embora já anunciasse seu declínio, ainda espantava e oprimia as pessoas ávidas por liberdade plena e irrestrita, mas cercada de atitudes responsáveis. Dessa forma, nas estrofes finais do poema “Aceitação”, é possível encontrar este inequívoco recado:

Abre a cova

e enterra

bem fundo

a ditadura.

Para que, nunca mais

impeça teu riso

de homem livre. (pág. 30)

Engana-se, porém, quem acredita que o livro é composto apenas de explícitas denúncias sociais. Nele há também lirismo-amoroso, pitadas de erotismo e  desejo de mergulhar na essência do Ser Humano, não importando o gênero, o credo ou a etnia a que pertença a pessoa.  Desse modo, o leitor, ao se deparar com o poema “Vazio”, percebe que existe uma clara, mas nem sempre perceptível, relação entre a permanência da/na vida e a efemeridade da existência humana, tudo isso em um texto que parece querer dialogar com as temáticas bastante exploradas por Cecília Meireles, conforme pode ser visto a seguir:

O mundo. O mundo e o tempo

a escorrer entre meus dias

sedentos de primaveras.

– Quem me dera achar a

rosa dialética e poder decifrar

o enigma do começo!… (pág. 26)

Em quarenta anos muitas coisas mudam. Aquela quase menina que integrava o Movimento Arte e Vivência e que dirigia a Revista Vivência, ao mesmo tempo em que tentava dar andamento a seu curso de Filosofia e coordenava uma escola popular no bairro do Sacavém, conseguiu atingir muitos de seus objetivos: tornou-se mestra e doutora em Filosofia, coordenadora de grupos de pesquisas, publicou diversos artigos em revistas especializadas, publicou, em 2004, outro livro de poemas – Poiesis -, e um longo ensaio, fruto de sua tese de doutoramento, intitulada A via longa da existência errante: Uma interpretação d’O Guesa, de Sousândrade, à luz da Hermenêutica de Pau Ricoeur, e tem se tornado uma referência nos estudos lítero-filosóficos.

Realmente, um livro não pode ser visto apenas como um objeto que contém folhas, capa, tinta e palavras… Um livro pode ser visto como um local privilegiado onde se encontram histórias… histórias de vidas que merecem ser estudadas e contadas, capazes de, longos anos depois, fazer uma poeta adormecida (Re)Nascer, não para si e seus entes queridos, mas para quem mal sabe das lutas enfrentadas para que ele chegasse, merecidamente, onde chegou.

3 respostas

  1. Parabéns Prof. Neres, por nos mostrar a obra da Escitora Rita de Cassia Oliveira. Saber que ela pediu que a ditadura fosse sepultada em cova bem funda
    para nuca mais se tornar livre é motivo de aplausos de PÉ!. O e-book é uma realidade, mas não é mais importante do que o livro fisico, pois, este, é o fruto da gestação intelectual dos escritores que transformaram em palavras,
    as vozes que ecoaram em sua inspiração. Belissimo texto. Avante!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Nós, do site Região Tocantina, queremos desejar, a todos os nossos leitoras e nossas leitoras, um FELIZ NATAL, repleto de fé, alegria, paz, saúde e felicidade.

E que as comemorações possam realçar nossos melhores e duradouros sentimentos.

FELIZ NATAL!

Publicidade