terça-feira, 28 de junho de 2022

Museu CPHAT da UEMASUL organiza exposição étnica Tenetehara

Publicado em 11 de abril de 2022, às 9:09
Fonte: ASCOM – UEMASUL

A exposição étnica Tenetehara, organizada pelo Centro de Pesquisa em Arqueologia e História Timbira (CPAHT) estará disponível para visitação no pátio da Universidade Estadual da região Tocantina do Maranhão (UEMASUL), a partir de hoje (11), das 8h às 12h e das 14h às 18h. A exposição ficará até o final de abril, tendo como um dos objetivos, desmistificar a data civil alusiva ao “dia do índio”. A exposição irá apresentar a diversidade dos povos indígenas do Sul do Maranhão. Serão expostas fotografias, artefatos de uso cotidiano e simbólicos, como adornos da festa da Menina moça, festa dos Rapazes e festa do Mel. Essa é a primeira exposição do povo Guajajara- Tenetehara a ser realizada pela instituição.

A designação Tenetehara refere-se ao tronco linguístico Tupi, que subdividide-se em Guajajaras, localizados no Maranhão e Tembés, localizados no Pará.  O nome Guajajara significa “donos do cocar” e Tenetehar, “somos os seres humanos verdadeiros”.  As famílias Gujajara-Tenetehara vivem em cerca de 140 aldeias, localizadas na Terra Indígena Araribóia, no município de Amarante, situado a 113 km de Imperatriz.   

A coleta do material foi realizada na aldeia Novo Funil, que fica a 36km do município de Amarante. Lá, vivem 15 famílias. A chefe de divisão de Etnologia do CPAHT, Aline Guajajara faz parte da comunidade indígena e explicou como se deu a coleta. “Avisamos sobre a visita, explicamos para as lideranças e para a comunidade o objetivo da exposição e toda a aldeia se mobilizou para ajudar na coleta dos materiais. Mostrar esse acervo é importante por conta do conhecimento. Sabemos que a maioria da sociedade ainda vê os povos indígenas como no tempo da colonização. Mostrar um pouco da aldeia, dos nossos artefatos, um pouco do que usamos no nosso dia a dia é uma forma de desconstruirmos pensamentos equivocados que a sociedade ainda tem em relação aos povos indígenas, para conhecer, valorizar e respeitar os povos indígenas”, finalizou Aline.

A responsável pelo CPAHT, arqueóloga Danielly Morais Rocha Marques informou que todo o acervo foi doado permanentemente para o museu, mas que a exposição será temporária. “No momento não temos espaço para abrigar essa nova exposição no museu, sendo que um dos objetivos da exposição é sensibilizar a comunidade para a necessidade de um espaço permanente sobre e para o povo Guajajara, que é considerado um dos povos mais numerosos do Brasil, se concentrando na margem oriental da Amazônia, todas situadas no Maranhão”, justificou Danielly.

O CPAHT é um espaço destinado à pesquisa e preservação da cultura material e imaterial da Região Sul Maranhense. Fruto de estudos e pesquisas, consolidados pelo Núcleo de Estudos Africanos e Indígenas (NEAI) da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão, o museu tem o objetivo de incentivar e apoiar a produção e a difusão de conhecimentos nas áreas de Etnologia, Arqueologia, Educação Patrimonial e Cultura Popular.

O museu fica localizado ao lado do prédio da UEMASUL, e funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e das 14h às 18 horas. As visitas guiadas em grupos podem ser agendadas pelo e-mail: cpah.timbira@uemasul.edu.br ou pela conta do museu no Instagram: @museu_cpaht.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: