sexta-feira, 22 de outubro de 2021

DOIS TRABALHOS ESSENCIAIS SOBRE AS LETRAS DO MARANHÃO

Publicado em 4 de maio de 2021, às 6:58
José Neres – Professor. Membro da AML e da Sobrames
Imagem: Unsplash

  Desafiando as questões econômicas, o escasso tempo e em muitos casos até mesmo a lógica, as pessoas que vivem no mundo acadêmico acabam mergulhadas em um misto de prazer e obrigação ao produzirem seus trabalhos, sejam eles em forma de livros, artigos, resenhas, anotações, descobertas, redescobertas, inovações ou divulgação científica. Contudo, esses trabalhos, que de alguma forma acabam sendo incorporados à vida cotidiana das pessoas, nem sempre são devidamente reconhecidos e muitas vezes acabam se perdendo em um oceano de anonimatos, sendo o nome de seus autores ignorado até mesmo entre seus pares.

Nesse ponto o mundo das letras não difere muito das outras áreas do conhecimento, talvez somando-se aos tantos obstáculos que aparecem na vida dos pesquisadores a falta de patrocínio, a pouca divulgação de resultados de anos de trabalho fora dos eixos convencionais de divulgação e um estranho silêncio que costuma abafar as raras palmas recebidas em alguns momentos isolados.

Uma pesquisa, por mais simples que possa parecer a quem esteja fora das diversas etapas que vão da problematização ao produto final, demanda tempo, esforço, paciência, inúmeras leituras, apontamentos, idas e vindas ao objeto de estudo e às fontes teóricas. São tantos os esforços e as energias dispendidas no decorrer de uma pesquisa que os resultados, mesmo os preliminares e, às vezes, não tão corretos assim, mas que não colocassem em risco as questões éticas, bioéticas, a saúde e a segurança dos indivíduos, deveriam ser recebidos com aplausos.

E quando os resultados são espetaculares e até mesmo o simples manuseio do produto final já desperta admiração? Os aplausos deveriam ser redobrados. Esse é o caso de dois livros recentemente publicados por Carlos Augusto de Melo, um professor graduado em Letras pela Unesp, mestre e doutor em Teoria e História Literária pela Unicamp, pós-doutor pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ e autor de diversos artigos científicos sobre variadas temáticas pertinentes ao mundo literário.

Mas o que tem a ver esse professor com as letras maranhenses. Muito. Ele é o responsável pela publicação de dois importantes livros que há muitas décadas estavam indisponíveis no mercado editorial, que se constituíam verdadeira raridades bibliográficas e que, embora não sejam conhecidos pelo público em geral, são de vital importância para quem dialoga com a literatura em seus diversos matizes.

Foi esse jovem professor e pesquisador atualmente radicado em Uberlândia (MG), que faz parte do corpo docente do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia e de outros programas de pós-graduação em Letras, que em 2018 trouxe de volta aos amantes da literatura oitocentista o “Curso de Literatura Portuguesa e Brasileira – Autores Portugueses” (Paco Editorial, 2018, 776 páginas), do professor, poeta e filólogo maranhense Francisco Sotero dos Reis( 1800-1871), um dos mais ilustres nomes da educação brasileira do século XIX.

Com extremo rigor técnico, percepção literária apurada e cuidado para com os textos originais, o professor Carlos Augusto de Melo selecionou os trechos nos quais o antigo mestre do Liceu Maranhense se debruçou, de modo didático e crítico, sobre a produção literária dos autores portugueses, desde os primórdios da solidificação da Língua Portuguesa até seus contemporâneos ainda vivo. Com bastante acuidade e atenção a detalhes que poderiam passar despercebidos a olhos leigos, Carlo Augusto de Melo fez um “recorte” das muitas lições proferidas/escritas por Sotero nos cinco volumes de seu alentado “Curso…”, que vieram à luz inicialmente entre os anos de 1866 e 1873.

Mas não se trata apenas de uma atualização ortográfica desse importante trabalho sobre a historiografia literária de língua Portuguesa, o que já seria um trabalho hercúleo e que também foi feito com muita competência pelo professor Roberto Acízelo de Souza, em 2014, mas sim também da seleção de pontos específicos da obra, que foi enriquecida e clarificada em diversos pontos com notas explicativas extremamente necessárias para situar a obra no mundo contemporâneo.

Além desse trabalho sobre o hoje quase esquecido Sotero dos Reis, Carlos Augusto de Melo também reeditou o livro “A Casca da Caneleira” (Paco Editorial, 2019, 168 páginas) e a ele adicionou notas e um aprofundado estudo crítico. O romance “A Casca da Caneleira” foi publicado inicialmente em forma de folhetim entre fevereiro e abril de 1866 e teve em sua composição a colaboração de importantes nomes das letras maranhenses do século XIX, a saber, Gentil Homem de Almeida Braga, Joaquim Serra, Raimundo Filgueiras, Marques Rodrigues, Trajano Galvão, Sotero dos Reis, Antônio Henriques Leal, Dias Carneiro, Sabbas da Costa, Caetanos C. Cantanhede e Sousândrade.

Em 1980, o intelectual maranhense Jomar Moraes havia feito uma segunda edição do livro, com notas explicativas e uma breve contextualização sobre o modus operandi da elaboração do romance. De certa forma, sem invalidar o trabalho inicial de Jomar Moraes, Carlos Augusto de Melo aprofundou as notas e as informações fornecidas pelo pesquisador maranhense, jogando novas luzes sobre alguns pontos que ainda permaneciam obscuros e, ao mesmo tempo, alerta e convida os leitores e estudioso para novos trabalhos sobre um livro ainda pouco explorado em atividades acadêmicas.

Sem dúvida alguma, essas pesquisas do professor doutor Carlos Augusto de Melo é digna de aplausos e certamente terão ressonância em muitos outros estudos que derivarão desses trabalhos sobre escritores e obras de projeção nacional, mas que, às vezes, por motivos vários, não eram conhecidos e/ou divulgados nem mesmo na própria terra natal.

Parabéns a esse intelectual que dedicou parte de seus esforços para ajudar a resgatar um pouco de nossa história literária.

Uma resposta em “DOIS TRABALHOS ESSENCIAIS SOBRE AS LETRAS DO MARANHÃO”

Hey there! I understand this is somewhat off-topic
but I had to ask. Does operating a well-established website like yours require a
large amount of work? I’m completely new to blogging but I do write in my
diary every day. I’d like to start a blog so I will be able to share my personal experience and views online.
Please let me know if you have any ideas or tips for
new aspiring blog owners. Appreciate it!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Sites relevantes para pesquisa

Publicidade

%d blogueiros gostam disto: